Fungicida da Sipcam Nichino se posiciona entre os ‘premium’ mais eficazes

Tecnologia com características sistêmica e protetora com multissítio se destaca pela relação custo-benefício favorável e supera o desempenho de outros ativos; produto se sobressai no MT como mais eficaz no controle da cercospora.

São Paulo (SP) – A finalização, nos últimos dias, dos Ensaios de Rede da safra 2020-21, em torno do manejo da ferrugem da soja, trouxe boas notícias à equipe técnica da Sipcam Nichino Brasil. Nos resultados apurados, o fungicida Fezan® Gold, da companhia de origem ítalo-japonesa, confirmou o alto desempenho registrado em safras anteriores. Comparado a outros 13 fungicidas, Fezan® Gold se posicionou entre os produtos ‘premium’ com melhor performance e a relação custo-benefício mais favorável no controle da doença.

Os ensaios, conduzidos em vários pontos do País, abrangeram experimentos para avaliar a severidade da doença e a produtividade da cultura, sobretudo. De acordo com a Sipcam Nichino, seu fungicida teve desempenho apenas 4% abaixo do tratamento padrão adotado, denominado “Programa” ou “Manejo Consciente”. Fezan® Gold, informa a companhia, foi também um dos fungicidas de base do Programa 2020-21.

O Manejo Consciente considera a adoção de todas as ferramentas disponíveis ao produtor com vistas ao controle de doenças, incluindo respeito ao vazio sanitário, plantio de variedades de soja tolerantes a patógenos, controle químico com intervenções preventivas, intervalos entre aplicações e o manejo de resistência, uma prática ancorada na alternância entre ingredientes ativos.

“Na análise geral, Fezan® Gold se manteve à frente de outros produtos. O fungicida se consolidou como uma das quatro estrelas do segmento”, afirma Sergio Camargo, engenheiro agrônomo da área de desenvolvimento de mercado da Sipcam Nichino.

No tocante à relação custo-benefício, acrescenta ele, na média de todas as localidades onde os Ensaios de Rede ocorreram, Fezan® Gold transferiu retorno de 5,11 sacas de soja, para cada saca da oleaginosa investida nas aplicações do produto. Segundo Camargo, a eficácia do fungicida foi de 71%, ante um cenário de severidade de 64,7% presente na chamada “testemunha”.

Já em relação à produtividade, assinala o agrônomo, o produto entregou 55,2 sacas por hectare, sendo 13,6 sacas por hectare superior à testemunha e acima de quase todos os fungicidas testados. “Fezan® Gold ficou apenas 2,4 sacas por hectare abaixo do tratamento padrão e confirmou sua ‘fortaleza’ ao ser vinculado a programas conscientes de manejo da doença.”

Conforme Camargo, Fezan® Gold foi lançado há alguns anos como o primeiro fungicida do mercado a conter na mesma formulação as características sistêmicas e protetora com ação multissítio, “aspecto decisivo na realização do manejo consciente das doenças do ‘Patossistema soja’”, diz o agrônomo. O produto permanece um dos poucos disponíveis com essas características.

Camargo explica também que o produto tem como ingredientes ativos os grupos químicos isoftalonitrila e triazol. “Controla a ferrugem, inibe o estabelecimento da resistência do patógeno e preserva elevado padrão de eficácia de ação nos manejos conscientes.”

Cercospora – A Sipcam Nichino informou que além do resultado acima da média no controle da ferrugem asiática, Fezan® Gold se sobressaiu por se constituir no mais efetivo produto no controle da cercospora, outra doença de importância econômica para a soja. “Esta doença tem se tornado um problema para os estágios finais de enchimento de grãos”, exemplifica Camargo.

De acordo com Camargo, ainda em relação à cercospora, no Estado de Mato Grosso, uma das regiões que abrigaram aos Ensaios de Rede, a doença apresentou severidade de 42,4% na testemunha, enquanto Fezan® Gold transferiu o melhor tratamento. “O fungicida reduziu a severidade para 13%, desempenho não obtido por nenhum outro produto”, conclui Camargo.

Criada em 1979, a Sipcam Nichino resulta da união entre a italiana Sipcam, fundada em 1946, especialista em agroquímicos pós-patentes e a japonesa Nihon Nohyaku (Nichino). A Nichino tornou-se a primeira companhia de agroquímicos do Japão, em 1928, e desde sua chegada ao mercado atua centrada na inovação e no desenvolvimento de novas moléculas para proteção de cultivos.

Fonte: Fernanda Campos

Posts recentes

Ver tudo